terça-feira, 28 de setembro de 2010

Para se conhecer Osho – II


Há poucos dias, a um comentário que citava Eckhart Tolle, eu respondi: “O que muda de um mestre para outro são suas estratégias para nos sacudir, para nos provocar, para nos fazer abrir os olhos. As mensagens não são conflitantes, mas as estratégias podem não ser convergentes. E eu aprendi com Osho que não é bom misturar os caminhos, pois a gente pode se confundir e não chegar a lugar algum.”
No dia seguinte, recebi o comentário de uma outra pessoa: “li o Poder do Agora e confesso que não percebi estratégia diferente dos ensinamentos de OSHO. Você poderia detalhar essa sua percepção e exemplificá-la ?”

Se eu recebesse essa pergunta há uns 5 ou 6 anos, teria sido mais fácil responder, pois imediatamente eu faria uma defesa emocional da preservação da mensagem pura do Osho. Com isso eu correria o risco de não reconhecer trabalhos, ações e abordagens de outros mestres que podem ser de grande ajuda para quem está procurando se encontrar, se conhecer e aguçar um pouco mais sua consciência.
Hoje eu quero aproveitar essa pergunta para responder com mais humildade e com fidelidade ao que sinto e percebo em meu coração.

Cada mestre tem suas próprias estratégias para nos seduzir, para nos envolver, para obter nosso comprometimento e nos fazer crescer. E cada um de nós é livre para aceitar essa sedução, esse envolvimento e para fazer suas escolhas e tomar suas decisões.
Ao me tornar sannyasin eu aceitei Osho como meu mestre. Isso significa muitas coisas. Antes de tudo significa entrega, aceitação, confiança. Eu sei os caminhos que trilhei até chegar ao Osho com o coração aberto, receptivo e confiante. Cada um trilha os caminhos de sua própria história pessoal.
E foi exatamente porque me entreguei, aceitei e confiei em meu mestre, que me foi possível, com os toques dele, romper muitas barreiras, dar saltos, livrar-me de apegos. Aceitá-lo como mestre e me sentir aceito como seu discípulo me deu força e apoio para me levantar e caminhar, E, aos poucos, num longo processo, fui compreendendo cada vez mais que o papel do mestre é me encorajar a conhecer meu próprio mestre interior e caminhar com meus próprios pés. Osho me ajudou a alcançar essa compreensão, através de seus toques.
Se eu estivesse dividido entre Osho e outro mestre que não enfatizasse o mesmo que ele, não creio que eu tivesse entrado de cabeça, pronto para correr riscos.

Pensando em escrever hoje, eu dediquei o dia de ontem a reler alguns segmentos do livro O Poder do Agora. Mesmo admitindo os limites de minha compreensão, eu devo dizer que sinto o Eckhart Tolle como um canal da sabedoria eterna e universal. Ao ler seu livro, eu sinto que ele me penetra pela mente. Ele explica com clareza, mas eu o sinto como se fosse um filósofo dando suas explicações. Ao ler trechos de seu livro eu digo para mim mesmo, ‘Isso é bem razoável, isso faz sentido.’ Fecho os olhos em alguns momentos porque ele mesmo sugere isso no começo do livro.
Quando eu leio um livro do Osho, eu sinto que ele me penetra pelo coração. Ao ler certos trechos do Osho, eu nada tenho a dizer, simplesmente fecho os olhos em silêncio porque não consigo prosseguir. Eu sinto a necessidade de dar uma parada e sentir internamente, e, muitas vezes, lágrimas brotam em meus olhos.
Além disso, Osho tem seu jeito peculiar de falar. Se eu sinto Eckhart Tolle como um filósofo sereno, eu sinto Osho como um poeta. Suas palavras são poemas.
E ele ainda tem aquele jeito brincalhão, debochado de se contradizer, contar piadas, nos pondo a rir e a dançar. Como diz o título de um de seus livros, ele não é ‘espiritualmente correto’.
Osho sempre foi muito contestado, incompreendido, perseguido, odiado e amado. Mas tudo isso faz parte de sua estratégia. Tudo isso ajudou a me seduzir, a quebrar as minhas resistências, e me entregar.

Mas as diferenças não se limitam a um estilo de falar e transmitir a mensagem.
As estratégias do Osho incluem suas revolucionárias técnicas de meditação. A sua mensagem está sempre atrelada à prática da meditação. E suas técnicas são especialmente adaptadas para o homem moderno ocidental.
Outro aspecto peculiar a Osho é a inclusão das terapias no processo pessoal de crescimento. A terapia como uma preparação do terreno para a meditação. A terapia como ferramenta para nos desbloquear, nos liberar, nos soltar, nos harmonizar psiquicamente.
Outro aspecto importante de seu trabalho é a celebração, a dança, a brincadeira, a festa.
No meu processo pessoal (‘com Osho’), tenho que reconhecer que foi fundamental a prática de suas técnicas de meditação por muitos e muitos anos, e até hoje, assim como a participação em muitos grupos e sessões de terapia. Sem esses dois pilares, somados à permanente leitura de seus livros, aos seus vídeos, às várias estadias em sua comuna na Índia, certamente eu não estaria me sentindo hoje mais inteiro, mais centrado, de bem comigo mesmo, mais tranqüilo e confiante, com mais discernimento, mais amoroso, mais sensível e sensitivo.

Para concluir, e reforçar essa característica do Osho de nos envolver e nos embalar, gostaria de citar o trecho final de uma fala sua, num vídeo que coloquei hoje na página do ‘Osho Brasil Instituto” no Facebook. Ele diz que todo o seu trabalho é um trabalho de arte e que nós, os seus sannyasins somos as telas nas quais ele pinta, somos os seus poemas, suas esculturas. E conclui dizendo: ‘Para ver a minha criatividade, você tem que ser parte dela, você não pode ser apenas um espectador, não pode ser alguém de fora, você tem que ser alguém de dentro. Porque isso é tão sutil, tão delicado, tão invisível que, a não ser que você entre nisso, com mente aberta, sem pré-julgamento, você não será capaz de experienciar isso. Apenas um pequeno experimento e a porta estará aberta.’

8 comentários:

angela disse...

Champak,

Vc é mto. generoso ao tentar explicar o inteligível somente pelo coração e o faz brilhantemente! Minha compaixão é menor e, geralmente, repito as palavras de outro grande Mestre:"quem tiver olhos para ver que veja e ouvidos para ouvir que ouça!".

Se não voltares a ter o olhar da criança que fostes um dia, não entenderás o indizível, não viverás a Vida como um mistério e, sim, como um problema a ser solucionado. O Osho levou-me a compreender isto e os melhores momentos da minha passagem por aqui são aqueles nos quais me permito ser 'ingênua', confiante e a molhar-me na chuva da Existência, sem sombrinha e de pés descalços.

Olhar sentada às margens do rio e vê-lo fluindo é mto. bonito, filosofar sobre o poder da água e do agora tb, porém, jogar-me nele, brincar e sentir o prazer que a água provoca em meu corpo é a única forma de sentí-lo.
Sou grata ao Osho por levar-me a desfrutar do agora e, não apenas, saber a importância dele.

Obrigada a vc, Champa, saudades!
Um grande abraço,
Amras.

Champa disse...

Seu comentário sobre o Osho, me emocionou, eu tbém sinto a poesia de Osho e sempre que leio seus livros suas palavras me soam belas!Namastê

Márcia disse...

Assisti ao video maravilhoso do Osho. E o que mais me tocou foi a definição de como ele expõe sua pintura, sua arte. Tem sido uma experiência maravilhosa conhecer e compartilhar com as pinturas do OSHO,que por definição do próprio, são vocês,sannyasins.Namastê!

Sw Anand Avikal disse...

Champak,
Concordo plenamente com voce em tudo que disse de Osho.Mas gostaria de colocar o seguinte :
Primeiro quando ouvimos Osho nos tornamos simpatizantes, estamos no nível da mente.
Segundo nos tornamos discipulos, começamos a beber da fonte.
Terceiro nos tornamos devotos. Nos entregamos totalmente a Osho, e sómente aí é possível nós chegarmos à Verdade.
Voce claramente é um Devoto, e para alguém te entender também terá que se tornar Devoto, caso contrário irá criticá-lo.
Namaste.

Anônimo disse...

Champak, suas palavras fazem sentido pra mim também - a estratégia para seduzir difere em cada mestre.

Li "O Poder do Agora", do Eckhart, e gostei muito, muito mesmo! Suas palavras tocaram-me profundamente!

Mas, não escolhemos o nosso Mestre - ele nos escolhe! - e Osho me escolheu!! O que posso fazer?!!

Osho me persegue pela manhã, à tarde e à noite, sendo que, ano passado, apareceu-me na madrugada, em sonho!! No sonho, guiou-me num "mergulhar no vazio" e ofertou-me a respiração da própria existência.

Osho veio a mim de repente e arrebatou-me sem que eu sequer soubesse da sua existência. Eu já estava dominado e nem sabia.

Há anos não consigo parar de ler os seus livros (assim como o Champak, choro!), ver seus videos, seguir seus ensinamentos...

Não o conheci pessoalmente, mas isso é simplesmente irrelevante pra mim, pois ele está na minha respiração, nas minhas células... em tudo. A presença dele em mim é tão forte que por vezes desconfio que ele é meu guia interior.

Não tenho palavras para agradecer ao meu Mestre Osho por todas as transformações/transmutações que percebo acontecendo em mim, como resultado da meditação, tendo Osho como principal mola propulsora.

Gratíssimo, Osho!
Gratidão também ao Champak, por todo o seu trabalho maravilhoso de divulgação da presença do Mestre.

Ricardo (Belém)

Magan Prem disse...

Isto é lindo Champak. Muito lindo. Gracias.

"Quando eu leio um livro do Osho, eu sinto que ele me penetra pelo coração. Ao ler certos trechos do Osho, eu nada tenho a dizer, simplesmente fecho os olhos em silêncio porque não consigo prosseguir. Eu sinto a necessidade de dar uma parada e sentir internamente, e, muitas vezes, lágrimas brotam em meus olhos."

Anônimo disse...

Osho passou por este planeta como um sonho de Sabedoria,Alegria,ingredientes fudamentais, para redescobrirmos a criança adormecida!
Abraços amigos!

Jomar Lessa Muktesh disse...

Fantástica as palavras de Champak, Osho é simplesmente inexplicável, lembro-me do primeiro livro que li e parecia uma tapa na minha cara, me acordando para algo e dentro de mim algo dizia "É isso".
Gratidão à existência por ter encontrado Osho, mestre que dentro do meu coração sente a vivacidade de suas palavras, mesmo expressas num livro morto, sinto a energia ainda.

Amor eterno à Osho.